Quem sou eu

Minha foto
Estudiosa das Tradições e Espiritualidade Femininas, Mitos, Contos de Fadas, Eco-feminismo e outros temas ligados ao Universo das Mulheres. Uma das precursoras e divulgadora da cultura celta e divino feminino no Brasil (há cerca de 17 anos desenvolve trabalhos na área). Em 1999, esteve na Irlanda onde teve a oportunidade de visitar e vivenciar os locais sagrados de nossos ancestrais celtas. Integrante de Tradições Espiritualistas, dentre elas: Druídica (por Emma Restall Orr - Inglaterra) e Alexandrian (por Edmundo Pellizari) e Xamânica Celta (John Matthews - Inglaterra) Nas ARTES: Praticante da Sagrada Dança do Ventre e Yoga. Atualmente estuda o estilo TribalFusion Bellydance. Cantora, baterista e guitarrista.

segunda-feira, junho 21, 2010

Mais sobre amor


"Quando duas almas se encontram o que realça primeiro não é a aparência física, mas a semelhança das almas.
Elas se compreendem e sentem falta uma da outra.
Se entristecem por não terem se encontrado antes, afinal tudo poderia ser tão diferente.
No entanto sabem que o caminho é este e que não haverá retorno para as suas pretensões.
É como se elas falassem além das palavras, entendessem a tristeza do outro, a alegria, o desejo, mesmo estando em lugares diferentes.
Quando almas afins se entrelaçam passam a sentir saudade uma da outra num processo contínuo de reaproximação até a consumação." (desconheço a autoria)

Meus comentários...

Quem nunca sentiu essa sensação de ter encontrado um pouquinho mais de si em outra pessoa?
E também, no término da história, ter deixado um montão de si mesmo no ser amado?

Bom, vivemos todos num mesmo mundo, numa mesma Terra, corpo, mãe...
Ou seja, estamos sempre um pouco no outro, em si, no todo...

O duro muitas vezes é lidar com a não matéria, os limites da "ilusão-realidade" física...
O duro muitas vezes é não conseguir lidar direito com o não sentir o cheiro, o gosto, o toque, o olhar... e nessas horas a gente se recolhe na grande nave-imaginação, grande máquina do tempo - nossa sagrada mente... pra alimentar um coração que arde até...

Bom, amor é isso... amor é vida...e essa vida tá cheia de desafios, para serem VIVENCIADOS, independente de "vitória" ou "derrota" - duas coisas muito relativas e paradoxais...
Acho que "derrota" não existe, é só uma parte da história... e "vitória" é qdo a gente finalmente aprende... Então, vivaaaaaaaaaaaaaaaaaa! ;)

Beijos da raposa que caminha...
P.

Nenhum comentário: